Notícias

Presidente do CAP não confirma permanência no cargo em 2019

14/03/2018 às 12:24

Em entrevista ao Parada dos Esportes da Difusora 95, desta terça-feira (13), o presidente Maurício Cunha fez um balanço dos trabalhos da diretoria do Clube Atlético Patrocinense que começou dia 06 de agosto de 2016, diante do Guaxupé no estádio Júlio Aguiar, com o acesso ao Módulo II e a conquista do título em 2017, chegando até o último domingo, quando o time grená conseguiu sua manutenção na divisão de elite do estadual, aliado a classificação para as quartas de final e a inédita vaga para o Campeonato Brasileiro da Série D em 2019. Maurício ainda espera que alguma coisa boa esteja reservada para o Patrocinense no próximo sábado em Belo Horizonte, mas independente do que acontecer, a avaliação que ele faz do seu trabalho é mais que positiva.

Maurício agradeceu os torcedores que estiveram ao lado do time no domingo e durante todos os últimos anos e lembrou que foram enfrentados vários problemas em 2018 que não foram levados ao conhecimento do público, houve troca de treinador com o risco da mudança não dar certo, porém, tudo se encaixou principalmente devido a entrega dos jogadores.

Maurício voltou ao passado quando esteve a frente da equipe em 1989. Na oportunidade, ele esteve ao lado do então presidente Roberto Nakamura, quando o CAP subiu para a primeira divisão de 1990. O presidente deixou em dúvida se vai continuar a frente do clube para 2019. “Pesa muita coisa. A gente tem que abdicar de muita coisa e enfrentar muitos problemas e a gente tem que avaliar se isso vale. Eu acho que a gente já contribuiu muito com o CAP e com a cidade”, enfatizou ao lembrar da paciência dos familiares dele e também dos demais diretores que dedicam muito tempo para o clube.

No final do ano haverá eleição para o cargo máximo do clube, e Maurício não confirmou se vai se candidatar para reeleição. Ele explicou que a diretoria sofre muita pressão e desgaste e tudo isso será avaliado. Uma reunião, após os acertos pós campeonato poderá definir essa situação, segundo Maurício.

Renato Oliveira/Difusora 95